# 49 – Ana Paula Tavares (1 poem)

28 04 2015

 .

To cry not to cry

the plain stays the same

Cabinda proverb

we colonized life

sowing

each one in each other’s sea

the nails of distance

of word

of madness

filling memory with splinters

we fill up days with emptiness

.

.

above these walls

so white

two old flags

at half mast

salute each other, both solemn

 .

 .

Translated by Wagner Miranda





# 48 – “Sonhos ruins são bons”, de Joni Mitchell

15 02 2015

joni portrait

Sonhos ruins são bons

 .

.

Os gatos estão nos canteiros

Um falcão vermelho passeia no céu

Acho que eu deveria estar feliz

Só de estar viva

Porém,

A tudo envenenamos

E alheios a tudo isso

Zumbis ao celular balbuciam

transitando por shopping centers

Enquanto condores despencam de céus indianos

Baleias encalham e morrem na areia

Pesadelos são bons

No Plano Superior

.

.

E você não é flor que se cheire

Será que você sabe que está mentindo?

É perigoso se iludir

Você fica surdo, estúpido e cego

Você veste a carapuça como de direito

Você age com má conduta

Você é desprovido de graça

De empatia

De graditão

.

.

Você não tem senso de consequência

Oh, cubro minha cabeça com as mãos

Sonhos ruins são bons

No Plano superior

.

.

Antes da maçã que a tudo mudou

Éramos um todo com o mundo

Não havia senso de individualidade ou de outro

Não havia a autoconsciência

Mas agora temos que nos agarrar

A este mundo fabricado pelo homem, em retrocesso

Com um olho no egoísmo fatal de nossos irmãos

.

.

Todos aqui são vítimas

Ninguém tem as mãos limpas

Muito pouco restou do intocado Éden, paraíso na terra

Então, próximos das mandíbulas de nossas máquinas

Vivemos nestas cicatrizes elétricas

Essas lesões um dia foram lagos

Não sabemos arcar com a culpa

Ou aprender com erros passados

Então quem é que vai salvar o dia?

O Super Mouse? O Super-Homem?

Sonhos ruins são bons

No Plano superior

No escuro

Um raio a brilhar

Ouvi um menino de três anos falar

Sonhos ruins são bons

No Plano superior

 .

 .

Traduzido por Wagner Miranda





#23 – “Thousand year prayer”, Cowboy Junkies

16 03 2010

Thousand year prayer

Here we all are at the end of this century of beauty and loss
Greedily ate what you gave us, the rest we tossed
We’ve trapped all your rivers, paved every pass
Pulled out your sky till we caused it to rip
But you’ve got Jimi Hendrix, so let’s call it an even split

I met a girl who has turned my whole world upside down

Stars I once stretched for now litter the ground

Cursed by too little lies, and too much belief

In the strength of another man’s words

But I’ve got a girl, thank you Lord
Here we all are at the start of another thousand year

All those love stories yet to be told

Ours is this river asleep at our feet

Blessed by this wet autumn day

Here we all are

Michael Timmins

___________________________________________

Prece dos mil anos

Aqui estamos reunidos, diante do fim de um século de beleza e perda
Com gana devoramos tuas ofertas e nos livramos dos restos
Represamos teus rios, pavimentamos todos os passeios
Cruzamos teu céu até rompê-lo por inteiro
Mas você tem o Jimi Hendrix, digamos que estamos quites assim

Conheci uma menina que virou o meu mundo de cabeça para baixo
Estrelas que um dia tentei alcançar agora se espalham pelo chão
Amaldiçoado por mentiras inofensivas e pela fé cega depositada
Na força das palavras proferidas por um outro homem
Mas eu conquistei uma garota. Obrigado, Senhor

Aqui estamos reunidos, diante de mil anos que se seguirão
E entre as histórias de amor a serem contadas
A nossa é este rio adormecido aos nossos pés
Abençoado por este dia úmido de outono
Aqui estamos reunidos

Traduzido por Wagner Miranda





#21 – The wind and the dove, de Bill Callahan

16 02 2010

The wind and the dove

Somewhere between the wind and the dove
Lies all I sought in you
And when the wind just dies, when the wind just dies
And the dove won’t rise
From your window sill

Well I cannot tell you
Which way it would be
If it was this way too
For the wind and the dove
For the wind and the dove

And I am a child of linger on
I peer through the window gone
I am a child of linger on
I peer through the window gone

Somewhere between the wind and the dove
Lies all I lost in you
And when the wind just dies, when the wind just dies
And the dove won’t rise
From your window sill

Well I cannot tell you
Which way it would be
If it was not this way too
For the wind and the dove
For the wind and the dove

And I am a child of linger on
I peer through the window gone
I am a child of linger on
I peer through the window gone

Bill Callahan

________________________________________________

O vento e a pomba


Em algum lugar, entre o vento e a pomba

Tudo o que tem ti busquei repousa

E quando o vento cessa, quando o vento cessa

E a pomba se torna incapaz de levantar vôo

Do parapeito da sua janela

_

Bem, não sou eu quem vai lhe dizer

Como as coisas irão acontecer

Se assim também foi

Para a pomba e o vento

Para a pomba e o vento

_

E eu sou um filho de uma dúvida que persiste

Olho para fora de uma janela que não mais existe

E eu sou um filho de uma dúvida que persiste

Olho para fora de uma janela que não mais existe

_

Em algum lugar, entre o vento e a pomba

Tudo o que em ti perdi repousa

E quando o vento cessa, quando o vento cessa

E a pomba se torna incapaz de levantar vôo

Do parapeito da sua janela

_

Bem, não sou eu quem vai lhe dizer

Como as coisas irão acontecer

Se assim também foi

Para a pomba e o vento

Para a pomba e o vento

_

E eu sou um filho de uma dúvida que persiste

Olho para fora de uma janela que não mais existe

E eu sou um filho de uma dúvida que persiste

Olho para fora de uma janela que não mais existe

_

Traduzido por Wagner Miranda





# 19 – Homeward Bound, Simon & Garfunkel

15 01 2010

Homeward Bound

I’m sittin’ in the railway station
Got a ticket for my destination
On a tour of one night stands
My suitcase and guitar in hand
And every stop is neatly planned
For a poet and a one man band

Homeward bound
I wish I was
Homeward bound
Home, where my thought’s escaping
Home, where my music’s playing
Home, where my love lies waiting
Silently for me

Everyday’s an endless stream
Of cigarettes and magazines
And each town looks the same to me
The movies and the factories
And every stranger’s face I see
Reminds me that I long to be

Homeward bound
I wish I was
Homeward bound
Home, where my thought’s escaping
Home, where my music’s playing
Home, where my love lies waiting
Silently for me

Tonight I’ll sing my songs again
I’ll play the game and pretend
But all my words come back to me
In shades of mediocrity
Like emptiness in harmony
I need someone to comfort me

Homeward bound
I wish I was
Homeward bound
Home, where my thought’s escaping
Home, where my music’s playing
Home, where my love lies waiting
Silently for me
Silently for me
Silently for me

Paul Simon

___________________________________________________

A caminho do meu lar

Estou na estação ferroviária.

Tenho um bilhete para a minha próxima parada.

Em uma turnê de palco em palco, carrego minha mala e minha guitarra.

E para um poeta e uma banda de um homem só, vejo que cada estação foi caprichosamente projetada.

A caminho do meu lar,

Como eu queria estar

A caminho do meu lar,

Lar, para onde meus pensamentos estão a escapar,

Lar, onde minha música está a tocar,

Lar, onde o meu amor está a esperar

Silenciosamente por mim.

E cada dia é uma sucessão infinita

De cigarros e revistas

E todas as cidades parecem iguais para mim, os filmes e fábricas enfim

E todas as faces estranhas que vejo me lembram que mal posso esperar para estar

A caminho do meu lar,

Eu queria estar

A caminho do meu lar

Lar, para onde meus pensamentos estão a escapar,

Lar, onde minha música está a tocar,

Lar, onde o meu amor está a esperar

Silenciosamente por mim.

Esta noite tocarei minhas canções novamente.

Cumprir meu papel e fingir descaradamente.

Mas minhas palavras são devolvidas para mim em tons de mediocridade sem fim

Como o vazio em uma harmonia, eu preciso do conforto de uma companhia.

A caminho do meu lar,

Eu queria estar

A caminho do meu lar

Lar, para onde meus pensamentos estão a escapar,

Lar, onde minha música está a tocar,

Lar, onde o meu amor está a esperar

Silenciosamente por mim

Traduzido por Wagner Miranda





# 18 – Belong, R.E.M

10 01 2010

Belong

Her world collapsed early Sunday morning

She got up from the kitchen table

Folded the newspaper and silenced the radio

Those creatures jumped the barricades

And have headed for the sea, sea

Those creatures jumped the barricades

And have headed for the sea

She began to breathe

To breathe at the thought of such freedom

Stood and whispered to her child: belong

She held the child and whispered

With calm, calm: belong

Stood and whispered to her child; belong

She held the child and whispered

With calm, calm: belong

These barricades can only hold for so long

Her world collapsed early Sunday morning

She took the child held tight

Opened the window

A breath, this song, how long

And knew, knew: belong

Stipe/Berry/Buck/Mills

_____________________________________________

Pertença

O mundo dela caiu no início da manhã de domingo

Ela se levantou da mesa da cozinha

Dobrou o jornal e reduziu ao máximo o volume do rádio

Aquelas criaturas pularam as barricadas

E seguiram em direção ao mar, o mar

Aquelas criaturas pularam as barricadas

E seguiram em direção ao mar

Ela começou a respirar

A respirar ao pensar em tal liberdade

Ficou de pé e falou para seu rebento: pertença

Ela abraçou seu rebento e a ele sussurrou

Com calma, calma: pertença

Ficou de pé e falou para seu rebento: pertença

Ela abraçou seu rebento e a ele sussurrou

Com calma, calma: pertença

Essas barricadas podem suportar apenas até o momento da partida

O mundo dela caiu no início da manha de domingo

Ela tomou a criança em seus braços e a abraçou forte

Abriu a janela

Inspirou, esta canção, por quanto tempo?

E sabia, sabia: pertencia

Traduzido por Wagner Miranda





# 15 – Reservations, de Jeff Tweedy (Wilco)

4 11 2009

Reservations

How can I convince you it’s me I don’t like
And not be so indifferent to the look in your eyes
When I’ve always been distant
And I’ve always told lies for love

I’m bound by these choices so hard to make
I’m bound by the feeling so easy to fake
None of this is real
Enough to take me from you

Oh I’ve got reservations
About so many things
But not about you

I know this isn’t what you were wanting me to say
How can I get closer and be further away
When the truth
Proves it’s beautiful to lie

Oh I’ve got reservations
About so many things
But not about you

I’ve got reservations
About so many things
But not about you

Not about you
Not about you
Not about you

It’s not about you

_______________________

Ressalvas

Como posso convencê-la de que me falta amor próprio?
E não ser tão indiferente ao que vejo em teus olhos?
Quando sempre estive distante
E sempre menti por amor

Preso a essas decisões tão difíceis de se tomar
Estou preso ao sentimento que é tão fácil de negar
Nada disso é real
o suficiente para me afastar de você

Eu tenho ressalvas

Com relação a tanta coisa
Mas não a você

Sei que não é isso que gostaria de me ouvir dizer
Como posso chegar tão perto e estar tão longe de você
Quando a verdade
Prova que é bonito mentir

Eu tenho ressalvas

Com relação a tanta coisa
Mas não a você

Eu tenho ressalvas

Com relação a tanta coisa
Mas não a você

Mas não a você
Mas não a você
Mas não a você

Não a você

Traduzido por Wagner Miranda








%d blogueiros gostam disto: